Eduardo Tetsushiro Mikoda, iniciou no mundo do motociclismo com uma moto famosíssima, e muito antiga, era uma Harley Davidson, "rabo-duro", ano 1947 (mais ou menos), depois comprou uma Yamaha 75 cc, ano 1978, teve também uma CG 125, 1978.

No inicio dos anos 80 pegou gosto pelas viagens, junto com o pessoal da Associação de Motociclistas Águias Negras, vieram as Hondas CB 360, CB 400, CB 450, depois Yamaha RD 350; até que em 1985, à convite do amigo Jorge Cancella, estreou nas trilhas, aliás, num Enduro, foi no 1º Enduro do Litoral Paranaense, em julho de 1985, com uma Honda XLX 250, praticamente zero km, emprestada do amigo Adilson Bornancin.

A partir deste evento tomou gosto pelo fora-de-estrada, iniciando com uma Yamaha DT 180, depois XL 125; até que após participar na organização de um enduro em 1988, onde foi preparado um "NON STOP", que seriam alguns obstáculos onde os pilotos teriam que passar com suas motos na chegada do Enduro, teve junto com alguns colegas organizadores do evento a idéia de organizar em Paranaguá, um evento de Trial Indoor, que aconteceu no Ginásio de Esportes Municipal, em outubro de 1988; em contacto com os pilotos de Trial, Fredy Tejada, Capivara, Rodrigo Moutinho, Caio Salerno, e outros, acabou se contaminando com o vírus do Trial, e no ano seguinte, junto com dois amigos viajou à São Paulo, de onde trouxeram duas motos de trial, eram Montesas Cota, ano 1981, modelo 349, bastante usadas; Eduardo acaba emprestando sua Montesa ao amigo Paulo Duleba, e por gostar dos motores 4 tempos, prefere "preparar" sua Honda XL 125, aumentando cilindrada, curso do batente do guidão, a suspensão, relação, etc., no final a Xizelinha fica muito próximo de uma moto de Trial, o que para a categoria nacional estava muito bom.

De 1989 à 1997, participou de várias provas de Trial, colaborando também na organização dos eventos, sempre preferindo o Trial Open (obstáculos naturais), hoje conhecido como Trial Outdoor. Neste período conquistou mais de uma centena de troféus com títulos no campeonato Paranaense e Brasileiro na categoria Juniores.

Com a parada do Trial Paranaense em final de 1997, voltou às trilhas, adquirindo uma Kawasaki KDX 200, depois uma KLX 250, Honda CR 250,  GAS GAS Enducross 250 , XR 200 e atualmente está com uma Honda CRF 230 F , sempre divulgando o esporte, trazendo e orientando novos adeptos às trilhas.